quinta-feira, junho 5

Jeins Voigt (Team CSC): Uma personalidade inesquecível.

Jens Voigt tem no seu currículo quatro Critérium International e duas Voltas à Alemanha consecutivas.
Foto cedida por: ProCyclingPhotos.com


É um conhecido do fãs de ciclismo pela sua inquietude durante as corridas e pela sua cara sorridente. Voigt é um corredor polivalente, ou melhor, a sua especialidade é atacar, seja em subida, descida, plano, pode-se dizer que o seu terreno é: ao ataque!

Começou por pertencer ao exército alemão e só passado 3 anos de ciclismo amador, ingressou em 1998 na Crédit Agricole já com 27 anos. Durante 5 épocas na equipa francesa conseguiu 20 vitórias; vestiu a camisola amarela no Tour 2000, venceu uma etapa no Tour de 2001 e fez parte da selecção olímpica que ajudou Jan Ullrich a ganhar o ouro.

Em 2004 passou para a Team CSC ajudando Ivan Basso a acabar em 3º lugar no pódio final do Tour de France. Na 15ª etapa Voigt encontrava-se mais uma vez em fuga quando Ullrich atacou deixando Armstrong e Basso para trás, já que Armstrong não conseguia alcançar o seu grande rival, Voigt ficou para trás e foi decisivo na captura do seu compatriota ajudando assim o seu chefe de equipa, Basso. Ullrich ficou desolado e a imprensa alemã atacou fortemente Voigt por prejudicar um compatriota seu. No dia seguinte num contra-relógio de montanha, os alemães na estrada chamavam-lhe de “Judas”, Voigt sentiu-se injustiçado criticando a imprensa alemã:



by bikeboy2000


No ano seguinte preparava-se para ajudar mais uma vez Basso no Tour de France quando o italiano foi suspenso por doping. Um ano depois Voigt criticou abertamente a contratação de Basso pela Discovery Chanel pois as equipas Pro Tour tinham acordado não contratar corredores supeitos. Voigt alertou que para o público dava a sensação que o ciclismo continuava igual e nada tinha mudado em relação ao doping.

Em 2005 quase que ganhava o Liège-Bastogne-Liège depois de ter sido batido por Vinokorouv,
o sprint deu-se após uma fuga de ambos iniciada pelo alemão a 52km da meta.

Foto cedida por: Capture-the-peloton.

No Giro de 2006, Voigt deixou Juan Manuel Garate vencer a 19ª etapa depois do alemão ter andado na roda o dia todo, no fim, as palavras de Voigt foram as seguintes: “Se ganhar é porque sou bom e trabalho para isso. Para ganhar assim eu prefiro não ganhar. Eu não sou assim, eu não consigo ganhar sem merecê-lo”.

Voigt tem uma teoria engraçada. Uma das respostas dele quando lhe perguntaram onde arranja motivação para estar constantemente ao ataque foi a seguinte: “ Até certo ponto tu tens que ser honesto contigo próprio e reconhecer: Eu não consigo fazer isto, mas eu consigo fazer aquilo. Eu não consigo vencer sprints contra Petacchi ou Cipollini nem vencer numa subida a Armstrong ou a Simoni. Assim tenho que arranjar outra forma para poder ganhar, o que eu quero sem dúvida.”

O alemão ainda deu mais algumas explicações neste vídeo a partir dos 2 minutos.



by bikedreams


O ano passado virou-se novamente contra os canais de televisão alemães por desistirem a meio do Tour de France de transmitir a corrida devido ao caso de doping de Patrik Sinkewitz, um compatriota seu.

Mais recentemente venceu a 18ª etapa do Giro ao atacar isolado da fuga em que estava inserido, quando ainda faltava 40km para a meta. Apesar do seu director desportivo aconselhá-lo que ainda era cedo para atacar, Voigt confiou no seu instinto.

Depois de tantas peripécias podemos dizer que “a sua vida dava um filme”.Um filme ainda não, mas um livro já dá!

Entrevista de Jens Voigt após a queda de Stuart O'Grady o ano passado no Tour de France.

Jantar da equipa Team CSC. Se o Ricardo Araújo Pereira é o melhor do mundo a comer pudins, Voigt é o melhor a comer muffins!!

Fabian Cancellara regressa às vitórias. Depois do prólogo de ontem, o suíço comentou que os braços doíam-lhe mais que as pernas!!

4 comentários:

Luis Ribeiro disse...

Deixa-me abismado a tua dedicação, conhecimento e meios que das em português ao ciclismo internacional….

Hugo disse...

Fantástico o teu trabalho.Vê-se mesmo que aprecias o Ciclismo.Parabéns!Eu como apreciador de ciclismo agradeço o facto de "tu" com este blog me manteres actualizado sobre esta modalidade,para mim a melhor.
Forte abraço e continua..vou continuar a vir ao teu blog assiduamente

carneiro disse...

Voigt é um corredor muito simpático e bem disposto. Talvez há 3 (?) anos no Tour, a Eurosport fazia uma reportagem por dia acompanhando um corredor específico. No dia do Voigt, era uma etapa de montanha, ele chegou com meia-hora ou mais de atraso, andou os primeiros três quartos da etapa a "aguadar" a equipa, a proteger o lider, num cansativo atrás-frente-atrás até ao carro.

Se não estou enganado, nesse ano ganhou uma etapa no Tour.

Nas fugas é muito solidário e leal. Passa pela frente na sua vez, fala com os outros para organizar - e os outros levam-no a sério e têm-lhe respeito. Já assiti a isso várias vezes.

Quanto à qualidade do blog, tomara muito profissional lograr esta qualidade de informação. Clara, isenta e abrangente. (cá para mim, o amigo é jornalista, mas isso é só um palpite...)

SempreNaRoda disse...

Blogger SempreNaRoda disse...

Um dia farei um post sobre os patrões do pelotão...Quando falo em patrões não falo só em qualidade mas sim no respeito que o pelotão tem sobre eles e na influência que estes podem ter sobre o pelotão. Talvez muitos discordarão, outros não, mas para mim neste leque estão: Voigt, Bettini, Boonen...e mais dois ou 3.